Curiosidades

LEI MUNICIPAL ORDINÁRIA Nº 11435/2005 DE CURITIBA

1ª transmissão de rádio

Alexander Wilson

Grahan Bell

Dicas de Seguraça

Oração do Pipeiro

Origem da Pipa

Beijamin Franklin e a experiêcia com Pipas

Porque a pipa sobe??

Nomes das pipas pelo Brasil e pelo Mundo

LEI MUNICIPAL ORDINÁRIA Nº 11435/2005 DE CURITIBA


LEI Nº 11.435, de 10 de junho de 2005.



"DISPÕE SOBRE O USO DE CEROL NOS FIOS DE PIPA NO MUNIC͍PIO DE CURITIBA E DÁ OUTRAS PROVIDEŠNCIAS."



A CÂMARA MUNICIPAL DE CURITIBA, CAPITAL DO ESTADO DO PARANÁ, aprovou e eu, Prefeito Municipal, sanciono a seguinte lei:


Art. 1º Fica proibido o uso de cerol (mistura de vidro com cola), em fios utilizados para sustentação de pandorgas, papagaios, pipas ou similares nos logradouros públicos do Munici­pio de Curitiba.


Art. 2º A fiscalização será atribuída ao órgão competente do Municí­pio.


Art. 3º Ao infrator ou seu responsável legal será aplicado multa de R$ 500,00 (quinhentos reais).


Parágrafo Único - Em caso de reincidência, o valor da multa duplicar-se-á sucessivamente.


Art. 4º Esta lei entra em vigor na data de sua publicaçÃo.


PALÁCIO 29 DE MARÇO, em 10 de junho de 2005.


CARLOS ALBERTO RICHA

Prefeito Municipal

Via Leis Municipais
|Topo|

1ª transmissão de rádio


Guglielmo Marconi em 1901, usou uma pipa para erguer um antena e fez a primeira transmissão de rádio.

Marconi foi um pioneiro do rádio, considerado seu inventor oficial, e um empresário de sucesso. Tinha apenas 23 anos de idade quando patenteou um sistema de telegrafia sem fios que lhe assegurou o monopólio das radiocomunicações e, mais tarde, o Prêmio Nobel de Fí­sica (1909).

|Topo|

Alexander Wilson



O cientista escoces Alexander Wilson construiu em 1749 diversas pipas, amarrou-as uma nas outras de forma engenhosa, formando um trem em que os vagões eram pipas, e as soltou no céu. Wilson não era apenas alguem que passava o tempo inventando formas e cores dançantes na ponta de uma linha.

As pipas eram numerosas, atadas a um único fio, de forma que ficassem em alturas diferentes. Cada uma delas trazia um termometro.

Dessa forma, Wilson pode saber se eram diferentes as temperaturas conforme a altura em que se encontrava o termometro.

As pipas do Prof. Alexander Wilson subiram mais de mil metros no céu e as observaçães desse cientista da Universidade de Glasgow foram um grande passo para se conhecer caprichos ou leis da natureza.


|Topo|

Graham Bell



O inventor do telefone, Graham Bell, tambem se interessou pelas pipas. Ele procurava materiais e formas que pudessem subir ao céu, mas que ao mesmo tempo fossem mais pesadas do que o ar. Essa vontade de criar pipas capazes de carregar seres humanos tambem não era nova. Uma história japonesa de quase 2.500 anos conta sobre o costume dos marinheiros amarrarem alguem numa pipa gigantesca, antes da partida dos navios. Consideravam que a viagem seria exitosa caso a pipa subisse e a vi­tima voltasse a  terra sã e salva.


Não eram esses, porem, os propósitos do cientista Graham Bell. O que ele queria? Construir uma pipa de caixas ou de cones, ao mesmo tempo fortes, ri­gidas, tridimensionais, com um tipo de material leve o suficiente para voarem a grandes alturas.

O resultado foi uma pipa em forma de tetraedro, coberta por tecido, grande ou pequena conforme o numero de tetraedros utilizados, integrando um único conjunto. Dizem que ele chegou a construir uma com quase 4 mil peças.

As experiencias de Graham Bell duraram de 1890 a 1940, levando instrumentos meteorologicos que traziam preciosas informações sobre temperatura, velocidade do vento, umidade ou pressão barométrica.
|Topo|

Dicas de Segurança


Aqui vai algumas dicas de Segurança para que você possa empinar sua pipa
sem o perigo de acidentes!!!

  • Não soltar pipas e raias em dias de chuva ou relampagos;


  • Não soltar pipas e raias perto de rede eletrica e antenas, procure lugares abertos, como praças e parques;


  • Se a pipa enroscar no fio, não tente tira-la, é melhor perder a raia do que a vida;


  • Não soltar pipa em ruas e avenidas movimentadas;


  • Não use cerol, além de correr o risco de se cortar, você pode machucar os outros.
  • |Topo|

    Oração dos Pipeiros

    Senhor, acalmai os ventos.
    Tornai nosso céu azul.
    Abençoai nossas pipas e papagaios,
    para que sejam lançadas com muita paz e segurança.
    Senhor, iluminai nossas almas,
    para que dela flua uma beleza sincera e harmoniosa.
    Senhor, tú és soberano,
    dai-nos a sabedoria divina para transformar nossos sonhos em realidade.




    |Topo|

    Origem, Lendas e Mitos

    A historia da pipa é recheada de mistérios, lendas, símbolos e mitos, mas principalmente de muita magia, beleza e encantamento.
    Tudo deve ter começado quando o homem primitivo se deu conta da sua limitação diante da capacidade de voar dos pássaros.
    Essa frustração foi o mote pra ele desse asas à imaginação.
    O primeiro vôo do homem esta registrado na mitologia grega, e conta que Ícaro e seu pai, Dédalo, aprisionados no labirinto de Creta pelo rei Minos, tentaram alcançar a liberdade voando.
    Construíram asas com cera e penas e conseguiram escapar.
    Apesar das recomendações do pai e embevecido pela possibilidade de dominar os ventos, Ícaro negligenciou a prudência e chegou muito perto do sol, que derreteu a cera das asas e precipitou-o ao mar, matando-o.
    De qualquer forma, o homem não parou por ai.
    Mesmo levando em conta o estranho acidente da lenda de Ícaro, ele continuou a ousar, desafiando a natureza com sua imaginação.
    As pipas nasceram dessa tentativa frustrada de voar, quando o homem transferiu para um artefato de varetas, papel, cola e linha sua vontade intrínseca de planar, de alçar vôo da terra firme.
    Teorias, lendas e suposições tendem a demonstrar que o primeiro vôo de uma pipa ocorreu em tempos e em varias civilizações diferentes, mas com toda certeza, a data aproximada gira em torno de 200 anos Antes de Cristo.
    O local: China.
    No Egito, hieróglifos antigos já relatavam objetos que voavam controlados por fios.
    Os fenícios também conheciam seus segredos, assim como os africanos, hindus e polinésios. Até o grande navegador Marco Pólo (1254-1324) explorou-lhe as potencialidades, embora levado por motivos menos lúdicos.
    Conta-se que em suas andanças pela China, ao ver-se encurralado por inimigos locais, fez voar uma pipa carregada com fogos de artifício presos de cabeça para baixo, que explodiram no ar em direção à terra, provocando o primeiro bombardeio aéreo da historia da humanidade.
    Nos países orientais, foi e continua sendo grande a utilização das pipas com motivos religiosos e místicos, como atrativos de felicidade, sorte, nascimento, fertilidade e vitória.
    Exemplos disso são as pipas com pintura de dragões, que atraem a prosperidade; tartarugas (longa vida); corujas (sabedoria); e assim por diante.
    Outros símbolos afastam maus espíritos, trazem esperança, ajudam na pesca abundante, e as pinturas com grandes carpas coloridas representam e atraem o desenvolvimento dos filhos.
    Nesses aspectos místico-religiosos, continua sendo muito grande a utilização de pipas como oferenda aos deuses nos paises orientais.
    Um dos quatro elementos fundamentais da civilização ocidental, o vento, no caso das pipas, passou rapidamente de inimigo a aliado, pois, com um domínio correto das suas correntes e velocidades, o homem conseguiu inteligentemente chegar perto do sonho de voar.
    A historia das pipas data de muitos séculos e se confunde com a própria historia da civilização, sendo utilizada como brinquedo, instrumento de defesa, arma, objeto artístico e de ornamentação.
    Conhecida como quadrado, pipa, papagaio, pandorga, ou outros nomes, dependendo da região ou país, ela é uma velha conhecida de brincadeiras infantis.
    E temos a obrigação de preservar sua beleza e simbologia, pois uma infância sem pipa certamente não é uma infância feliz.
    As pipas adornam, disputam espaço, fazem acrobacias, mapeiam os céus. São extensão natural da mão, querendo tocar nossas ilusões.

     

    |Topo|

     

    Benjamin Franklin

    Em 1752 na famosa experiencia do Para-Raio, de Benjamin Franklin
    Ficou demonstada definitivamente a importancia das pipas na história da
    Ciencia.

    Prendendo uma chave ao fio da pipa, que empinou em um dia de tempestade,
    a eletricidadedas nuvens foi captada pela chave e pelo fio molhado,
    fato que levou a descoberta do para-raio.

    |Topo|

    PORQUE A PIPA SOBE?

    O vento bate de frente com a vela, e estando a pipa na inclinação ideal (25º a 30º), a tendencia seria arrasta-la  e tira-la de sua posição. Mas por causa da linha, o vento não pode arrasta-la. Como os estirantes mantem a pipa na posição inclinada, o vento bate e desvia para baixo, e a pipa sobe por reação, junto com a linha presa na mão do empinador.
    Em suma, a subida da pipa se da devido ao escoamento do vento sobre suas asas, formando uma zona de baixa pressão em cima da pipa, fazendo com que ela suba. O que ela realiza na verdade é um vôo de baixa velocidade (3 a 40 Km/h).

    |Topo|

    Nomes Dados Às Pipas Pelo Mundo:


     
    BRASIL

    - Papagaio: em todo o territorio
    - Quadrado e Papagaio: interior de São Paulo
    - Quadrado, Papagaio e Pipa: São Paulo (Capital)
    - Pipa: Rio de Janeiro
    - Pandorga: Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Sul do Paraná
    - Raia: Norte do Paraná até Curitiba
    - Cafifa: Niterói
    - Curica, Cangula, Casqueta, Chambeta e Pepeta: Norte
    - Arraia, Morcego, Lebreque, Bebeu, Coruja, Tapioca, Sura, Bolachinha, Mosquitinho: Nordeste
     
    OUTROS PAÌSES
     
    - Cometa: Espanha, Uruguai, e outros países de lingua espanhola
    - Barrilete: Argentina
    - Kite: Inglaterra, Estados Unidos e outros países de lingua inglesa
    - Cerf-volant: França e países de lingua francesa
    - Volantin: Chile
    - Drachen: Alemanha
    - Aquilone: Italia
    - Takô: Japão
    - Shirosshi e Shiem: China
    - Drak: Tcheco-eslovaquia (em Tcheco)
    - Jarkam: Tcheco-eslovaquia (em Eslavo)
    - Papalote: Mexico
    - Papagaio: Portugal
    - Tayara: Libano
    - Aetos: Grecia
    - Wau: Malasia e Indonésia
    - Sarkany: Hungria
    - Leijani: Finlandia
    - Drakar: Suécia
    - Didak: Bélgica
    - Tchiang: Nepal
    - Patang: India e Afeganistão
    - Vozdouchnei-ziniei: Russia
    - Chiriachirou: Sri Lanka
    - Caidéu: Vietnã
    - Yoah: Coréia
    - Tairawakia: Irã, Iraque, Baren
    - Stell: Barcelona (em catalão)
    - Atok'er: Em idioma da civilização Maia.
     

    |Topo|